quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Quem não dá o Dízimo vai para onde? (Sobre dízimos)


Um assunto que divide muito os atuais cristãos é o dízimo. Muitos pastores evangélicos instruem os membros de suas igrejas a separar 10% de todos os seus salários para ser doado para a “obra de Deus”. Outros religiosos, em menor número, afirmam que o dízimo é uma lei do Antigo Testamento, e, como tal, não deve ser mantido como prática comum pelos cristãos. Alguns, radicais, chegam ao ponto de afirmar que o crente que não pagar o seu dízimo será condenado, haja vista que estaria “roubando a Deus” (citando o profeta Malaquias, capítulo 3), e “os ladrões não entrarão no reino dos céus”. Mantendo o nosso estilo “direto ao ponto” de escrever, vamos observar mais de perto a prática do dízimo.

A-   Exame de Malaquias 3

“Desde os dias de vossos pais vos desviastes dos meus estatutos, e não os guardastes; tornai-vos para mim, e eu me tornarei para vós, diz o SENHOR dos Exércitos; mas vós dizeis: Em que havemos de tornar? Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda esta nação. Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o SENHOR dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes.” Malaquias 3, 7-10

Mas que dízimo seria esse, que o povo estava “roubando”? Claro que era o mesmo dízimo da Lei Mosaica, a que o povo estava obrigado, como vemos no próprio texto, citados os “estatutos de Deus”. Portanto afirmamos categoricamente que é absurdo usar esse texto para  exigir o dízimo dos fiéis cristãos, em primeiro lugar porque esses pastores afirmam que a Torá (Lei) não está mais em vigor, e em segundo, porque o dízimo da Torá não tinha nada a ver com separar 10% de todos os salários para líderes religiosos, como veremos abaixo.

B-   Como era o dízimo da Torá

Nosso estudo estará focando três textos do pentateuco: Levítico 27, Números 18 e Deuteronômio 14.
Levítico 27 trata de coisas consagradas a Deus e dos dízimos.:

Também todas as dízimas do campo, da semente do campo, do fruto das árvores, são do SENHOR; santas são ao SENHOR. Porém, se alguém das suas dízimas resgatar alguma coisa, acrescentará a sua quinta parte sobre ela. No tocante a todas as dízimas do gado e do rebanho, tudo o que passar debaixo da vara, o dízimo será santo ao SENHOR. Não se investigará entre o bom e o mau, nem o trocará; mas, se de alguma maneira o trocar, tanto um como o outro será santo; não serão resgatados. Estes são os mandamentos que o SENHOR ordenou a Moisés, para os filhos de Israel, no monte Sinai. Levítico 27:30-34

Daqui vemos que o dízimo da Torá era do produto da agricultura e pecuária (campo, sementes, frutos das árvores, gado e rebanho), e não de dinheiro! É preciso lembrar que a bíblia cita “assalariados” ou “diaristas”, inúmeras vezes. Havia trabalhos que não eram desempenhados por proprietários de terras (colheitas e gado), e, portanto, havia trabalhos que não requeriam o dízimo de seus produtos!  Veremos ainda à frente que os dízimos (havia vários tipos) era anual, quando analisarmos Deut. 14.
Todas as ofertas alçadas das coisas santas, que os filhos de Israel oferecerem ao SENHOR, tenho dado a ti, e a teus filhos e a tuas filhas contigo, por estatuto perpétuo; aliança perpétua de sal perante o SENHOR é, para ti e para a tua descendência contigo. Disse também o SENHOR a Arão: Na sua terra herança nenhuma terás, e no meio deles, nenhuma parte terás; eu sou a tua parte e a tua herança no meio dos filhos de Israel. E eis que aos filhos de Levi tenho dado todos os dízimos em Israel por herança, pelo ministério que executam, o ministério da tenda da congregação. E nunca mais os filhos de Israel se chegarão à tenda da congregação, para que não levem sobre si o pecado e morram. Mas os levitas executarão o ministério da tenda da congregação, e eles levarão sobre si a sua iniqüidade; pelas vossas gerações estatuto perpétuo será; e no meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão, Porque os dízimos dos filhos de Israel, que oferecerem ao SENHOR em oferta alçada, tenho dado por herança aos levitas; porquanto eu lhes disse: No meio dos filhos de Israel nenhuma herança terão. Também falarás aos levitas, e dir-lhes-ás: Quando receberdes os dízimos dos filhos de Israel, que eu deles vos tenho dado por vossa herança, deles oferecereis uma oferta alçada ao SENHOR, os dízimos dos dízimos. E contar-se-vos-á a vossa oferta alçada, como grão da eira, e como plenitude do lagar. Assim também oferecereis ao SENHOR uma oferta alçada de todos os vossos dízimos, que receberdes dos filhos de Israel, e deles dareis a oferta alçada do SENHOR a Arão, o sacerdote. De todas as vossas dádivas oferecereis toda a oferta alçada do SENHOR; de tudo o melhor deles, a sua santa parte. Dir-lhes-ás pois: Quando oferecerdes o melhor deles, como novidade da eira, e como novidade do lagar, se contará aos levitas. E o comereis em todo o lugar, vós e as vossas famílias, porque vosso galardão é pelo vosso ministério na tenda da congregação.
(Números 18, 19-31)

Desculpe citar o enorme texto, mas é necessário, para entendermos como funcionava o ministério dos levitas e sacerdotes. Quando os textos falam que o dízimo é “para o Senhor (YHWH)”, isso significa que eram para o sustento dos ministros da casa do Senhor, pois Deus não precisava deles. Assim, quando Malaquias fala que o dízimo é “para que haja mantimento em Minha casa”, trata-se do sustento dos levitas e sacerdotes, que, como vemos em vários textos da Torá (inclusive no citado acima), não tinham grandes latifúndios entre o povo, e viviam das partes dos sacrifícios e outras coisas consagradas a eles. Esses citados levitas e sacertotes não eram, portanto, ricos líderes religiosos, e sim uma espécie de casta, descendentes de Levi e Aarão.  Os levitas, por sua vez, ao receber “todos os dízimos de Israel”, repassavam o dízimo de dízimo para os sacerdotes. Portanto, vemos que esse dízimo era dado ao levita. É interessante citar novamente que os dízimos eram do produto da agricultura e pecuária. Vimos em Núm. 18, por exemplo, que a “oferta alçada”, doada ao sacerdote, deveria ser comida em qualquer lugar. Outro texto que esclarece bastante a questão do dízimo é o seguinte:

Certamente darás os dízimos de todo o fruto da tua semente, que cada ano se recolher do campo. E, perante o SENHOR teu Deus, no lugar que escolher para ali fazer habitar o seu nome, comerás os dízimos do teu grão, do teu mosto e do teu azeite, e os primogênitos das tuas vacas e das tuas ovelhas; para que aprendas a temer ao SENHOR teu Deus todos os dias. E quando o caminho te for tão comprido que os não possas levar, por estar longe de ti o lugar que escolher o SENHOR teu Deus para ali pôr o seu nome, quando o SENHOR teu Deus te tiver abençoado; Então vende-os, e ata o dinheiro na tua mão, e vai ao lugar que escolher o SENHOR teu Deus; E aquele dinheiro darás por tudo o que deseja a tua alma, por vacas, e por ovelhas, e por vinho, e por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; come-o ali perante o SENHOR teu Deus, e alegra-te, tu e a tua casa; Porém não desampararás o levita que está dentro das tuas portas; pois não tem parte nem herança contigo. Ao fim de três anos tirarás todos os dízimos da tua colheita no mesmo ano, e os recolherás dentro das tuas portas; Então virá o levita (pois nem parte nem herança tem contigo), e o estrangeiro, e o órfão, e a viúva, que estão dentro das tuas portas, e comerão, e fartar-se-ão; para que o SENHOR teu Deus te abençoe em toda a obra que as tuas mãos fizerem. Deuteronômio 14, 22-29

Resumindo, didaticamente:
1-   Os dízimos eram anuais, tirados dos produtos da agricultura e pecuária (vv. 22 e 23)
2-   Um dos dízimos era comido pelo contribuinte em Jerusalém (lugar que Deus futuramente escolheria) (v. 23)
3-   O único caso de dízimo em forma de dinheiro registrado na Torá: se o contribuinte morasse longe do lugar escolhido por Deus, deveria converter seus dízimos em dinheiro e, no dito lugar, comprar tudo que sua alma desejasse, incluindo vinho e outras bebidas alcoólicas (proibidas, curiosamente, pela maioria das igrejas) (24-26)
4-   Doações deveriam ser feitas ao levita (v. 27)
5-   Ao fim de três anos, os levitas e os pobres tomarão os dízimos daquele ano (v.29) 

Os dízimos não seriam para os levitas? Como agora passa a ser para a barriga do contribuinte, e apenas de três em três anos, do levita e, além disso, do pobre?
Obs.: O terceiro ano citado é o terceiro depois do ano sabático (chemitá), que acontece de sete em sete anos, e nele os israelitas estão proibidos de explorar a terra, que deve ser deixada para "descansar". Assim sendo, no próprio ano sabático, não havia dízimo, pois não havia colheita! Os pastores perdoam o “ano sabático”, para fins de dízimos?

A solução para o “problema”
De acordo com o judaísmo, números e deuteronômio se completam: há três dízimos:
1-   O que era dado aos levitas; todos os anos.
2-   O que era consumido pelo dizimista; todos os anos, exceto no terceiro e sexto do ano sabático.
3-   O dos pobres; no terceiro e sexto anos do ano sabático.
Portanto, todos os anos dois dízimos eram separados. O primeiro (hebraico: ma’asser richon) era dado ao levita sempre. O segundo (ma’asser cheni), retirado do que restou do primeiro, era consumido pelo dizimista, exceto nos anos terceiro e sexto do ano sabático (o “no fim de três anos”, citado no texto), em que eram dados aos pobres (ma’asser ‘ani).

Ajuda aos necessitados
 Certa vez tive a oportunidade de ler um jornal religioso em que uma leitora enviou perguntas para uma das maiores autoridades da evangelização televisiva em nosso país, questionando-o se o dízimo não seria mais útil se dado aos pobres, que dele precisam mais, e como ficava o amparo ao órfão e à viúva, exaustivamente citado na Torá. A resposta? “O órfão e a viúva são os que não tem Deus” e “O dízimo deve ser levado à igreja, segundo a bíblia, e não dado aos pobres”.  Daí vemos que esses líderes pagarão um preço caro, por estarem usando a boa-fé e religiosidade das pessoas para satisfazer-se pessoalmente, distorcendo textos bíblicos. Quanto mais bonito seria se esses pastores ensinassem seus seguidores a ajudarem os necessitados, esse ato tão citado na bíblia (e não como “esmola”, ou “caridade”. No islamismo e judaísmo a ajuda aos necessitados é uma obrigação religiosa, chamada sedaqá [justiça]!)!

Mandamentos agrícolas referem-se a Israel apenas
É curioso citar o seguinte:

Porque passareis o Jordão para entrardes a possuir a terra, que vos dá o SENHOR vosso Deus; e a possuireis, e nela habitareis. Tende, pois, cuidado em cumprir todos os estatutos e os juízos, que eu hoje vos proponho. Deuteronômio 11:31-32

Daí tiramos que todos os mandamentos referentes a dízimos e ofertas de produtos agrícolas se referem apenas à terra de Israel apenas. Pois o povo esteve vagando pelo deserto muitos anos, e claro que não andou plantando, cumprindo anos sabáticos e jubileus e dando dízimos nesse tempo, senão quando eles herdassem sua terra prometida, onde plantariam e colheriam! Assim, fora da terra prometida, como pode haver dízimo?
OBS.:  Judeus atuais não cumprem nenhum desses mandamentos, pois o sistema levítico-sacerdotal não está em vigor por enquanto, ainda que muitos judeus querem reerguer o templo em Jerusalém e consagrar os sacerdotes e levitas, para voltar a cumprir os mandamentos de Deus.

C-  Dízimo antes da Torá?

Claro que os crentes citam os dois textos onde, antes da Torá, Abraão e Jacó aparecem dando dízimos ou prometendo-os. Porém não é necessário pensar muito para perceber que esses dízimos não eram os dízimos que estudamos acima: O dízimo de Abraão foi dado a um rei (Melquisedeque. Os reis antigos eram chamados de sacerdotes também, a exemplo de Jetro, lá em êxodo. Claro que os crentes vêem grandes mistérios nesse sacerdócio... fazer o quê?), e foi tirado dos despojos de uma batalha contra vários reis. Quão diferente é isso dos dízimos (no plural) vistos acima! Portanto, volto a dizer: citar Malaquias para pedir dízimo pós-Torá é, no mínimo, uma desonestidade. Tudo leva a crer que era costume na antiguidade prometer e dar dinheiro aos deuses, mediante seus sacerdotes. Não consta que Abraão deu esse dízimo mais uma vez em toda a sua vida, e também não consta que Deus que mandou que ele dizimasse. Portanto, pegar esses dois textos para dizer que o mandamento do dízimo é anterior à Torá e deve ser mantido, evitando (é claro!) explicar aos crentes que o dízimo da Torá não tem conchas a ver com o que eles estão fazendo nas igrejas, é forçar a barra para manter um “mandamento” que eles gostam muito, ainda que eles não gostem de mandamento nenhum!

D-  Um povo sem lei!

A maioria das denominações cristianismo repudia totalmente as leis bíblicas! Se você perguntar a um crente a quais mandamentos ele está obrigado, mesmo no Novo Testamento, dificilmente ele saberá! Criou-se uma raiva tão grande das leis, das obras, da liturgia, que as destruíram quase completamente. Martinho Lutero deve ter traduzido o texto de Tiago onde consta que Abraão foi justificado pelas suas obras (sem as quais a fé é morta) com a cara torcida!
Ironicamente, certo apóstolo disse que “todo aquele que comete pecado, comente iniqüidade, porque pecado = iniqüidade”. Quem lê superficialmente não entende, porque acha que iniqüidade é apenas mais um sinônimo de pecado. Mas no grego essa palavra é anomia (ανομια), formado de A+NOMIA (‘a’ é “sem” como em ‘apolítico’, e “nomos” é lei, Torá!), ou seja, falta de lei! Portanto, o povo mais “anômico” do mundo é o povo cristão, que não tem  grandes estatutos em sua religião, exceto... O DÍZIMO!

19 comentários:

  1. Olá!
    Estava pesquisando sobre Tanakh, a Bíblia Hebraica e encontrei você(teu blog). Sou cristão e gostei de sua defesa, (embora discorde), gostei do seu estilo (direto ao ponto). Também discordo de muitas aberrações que tenho visto no meio cristão, infelizmente muitos "pastores", "teólogos" e outros mais estão aproveitando-se da boa fé de muitos (concordo com você), mas onde eu congrego, quado tenho oportunidade, escancaro essa realidade para meus amigos e irmãos em Cristo. Gostaria de tê-lo como contato, para aprender mais sobre a Bíblia Hebraica. Se for possível envie-me seus post para meu E-mail.
    otoniel_silva@hotmail.com

    Otoniel Silva
    Serra do Navio - Amapá - Brasil

    ResponderExcluir
  2. Olá, Otoniel! Obrigado por ter comentado! Para ser informado sobre as novidades do blog, quando elas aparecerem, é só seguir o blog. Dê uma olhada na nossa seção de hebraico, veja os tópicos antigos, tenho certeza que você vai gostar.

    Vou adicioná-lo aos meus contatos do MSN. Espero ter a oportunidade de conversar com você!

    Abraços
    Administrador.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. A Paz esteja com você meu irmão. Sem sombra de dúvida Deus ilumina teu conhecimento. Sou um Cristão e Teólogo Protestante e gostaria de expressar que mesmo que nós não concordemos em tudo no que concerne às Escrituras somos irmãos e filhos de um mesmo Deus. Muito iluminada e esclarecedora vossa explicação sobre o assunto dos dízimos, foi conciso e direto ao ponto. Infelizmente pessoas não tementes a Deus usam de sua palavra para tirar proveito próprio da boa fé dos fiéis. Gostaria de adiciona-lo a meus contatos para conversas futuras. Que o Senhor continue te abençoando ricamente. Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente ver seu comentário!
      Meu contato (MSN) : ivrit5770@hotmail.com

      Deus o abençoe!

      Excluir
  5. Olá! Agradeço pelo texto e pelo site, tenho acessado e aprendido, informações de grande valia.
    Durante a leitura do texto surgiu uma dúvida, com quais recursos são mantidas as sinagogas?
    Att, Felipe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, meu amigo, muito obrigado por visitar nosso blog, eu que agradeço!
      Agora peço humildemente desculpas por demorar tanto a te responder, deveria ter feito isso muito antes!
      As sinagogas, assim como as mesquitas algumas igrejas são mantidas por doações dos membros e de instituições judaicas em geral.

      Excluir
  6. Sou messianico. Creio Em Yeshua hamashiac. O problema é que tá dificil encontrar um messianico verdadeiro.
    1 nao sou judeu
    2 nao obedeço a velha aliança
    3 nao sou autorizado a construir templos ( pois nao sou judeu )
    4 não existe mais sacerdocio
    5 nao tenho pastor terreno
    6 aos judeus foram confiados os oráculos de Deus ( não a mim que sou brasileiro)
    7 este "evangelho" católico kkkkk
    é uma piada ( e suas filhas tambem claro )
    8 as pessoas não sabem o que adoram ( os judeus sabem segundo o própio Yeshua ) vejo crentes adorando mitra.
    9 eu nunca vi um livro tão manipulado quanto a biblia ( mas já sei como anular ele e ler a escritura)
    10 concordo com voce plenamente sobre essa falsa cristandade. Eu confio é no messias ( já o nome cristo.... É mitraismo puro )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1°Ser messianico quer dizer o que? Vc acredita em Yeshua como D-eus?
      2°Não obedecer a velha aliança? O que é velha aliança pra vc?
      3°Para que construir templos se Ele não habitaria em templos feitos por mãos humanas?
      4°Não existe mais sacerdócio ou ele foi retirado dos homens e dado a Yeshua?
      5° Não ter pastor terreno? E o que nos foi enviado para não ficarmos orfãos?
      6° Somos brasileiros mas constituídos por que civilização passada e quais são suas origens?
      7° O evangelho é católico ou são livros históricos que foram adulterados para fortalecer ideais e idéias? Quais são elas?
      8° Não sabem ou não querem saber? Se importam? Experimente contrariar e trazer alguma verdade que vá contra os costumes de alguém.
      9° Livro manipulado ou povo sem sede de conhecer e praticar a verdade? Abrir mão do TEMPO DA GRAÇA dói, larga é a estrada(Mais fácil é) que conduz ao abismo.
      10° Opinião pessoal: Conclusão, a questão não está em respostas e sim pra quem se pergunta, respeito muito teorias e conclusões e fiz essa analogia com suas afirmações para te trazer um novo horizonte, em nenhum momento quero dizer que está errado apenas quero que reflita nas possibilidades que temos diante de nós, uma vez me disseram que um rabino tinha dito a uma pessoa que o que ela estava cumprindo diante das leis da Torah estava bom e o Eterno iria ajuda la, era pouco o que ela conseguia fazer, outra cumpria muita coisa e recebeu daquele mesmo rabino resposta igual, indagado sobre o que estava bom ele disse: Não sou eu quem determino o amadurecimento do fruto, não estou aqui para arrancar ele fora e sim cuidar e esperar que Ele o Eterno faça ao seu tempo o crescimento e o amadurecimento. Meu irmão não pare de buscar, de procurar, de ler, pesquisar, não aceite nada que não lhe traga paz pois se não trouxer paz busque que algo está errado, espero ter de alguma forma contribuído com seu amadurecimento assim como seus 10 tópicos contribuiram com o meu. Sou o que escreveu o tópico Anônimo9 de outubro de 2014 13:06 Shalom pra vc.

      Excluir
    2. Essa postagem não tem nada a ver com o tema do post sobre ma'asserim... Vamos tentar nos ater ao que foi postado, ok?

      Abraço a todos :D

      Excluir
  7. meu nome e Maria e gostaria de aprender Hebraico, pois a muitos anos vinha sendo enganada, pelo que descobri e que os verdadeiros adoradores, que nunca fugiram das Escrituras Sagradas, são os Judeus. E acredito em muitas coisas que o Anônimo falou, principalmente sobre os verdadeiros nomes do eterno e do seu filho o Messias. poderiam me enviar as Escrituras Sagradas? Entendam, não estou aqui para ofender nínguem, só não quero mais viver na escuridão. Meu email é:
    ulissesmcphoneshop@hotmail.com Obrigada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maria! Muito obrigado por visitar nosso blog. É uma atitude sincera e louvável querer cada vez aprender mais e tirar suas dúvidas :D
      Por favor, leia as seguintes postagens nossas:

      http://biblia-hebraica.blogspot.com.br/2010/05/o-nome-divino-no-judaismo.html

      e

      http://biblia-hebraica.blogspot.com.br/2010/07/versoes-da-biblia-hebraica.html

      Um forte abraço!

      Excluir
  8. Adorei seu texto e gostaria de conhecer mais. Poderia passar seus contatos? Grata, Fabiana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E-mail: ivrit5770@hotmail.com
      No facebook participo do grupo QOL HATORÁ (https://www.facebook.com/groups/forum.kol.hatorah/). Lá você poderá tirar suas dúvidas. Me desculpe pela demora em te responder!
      Abraço!

      Excluir
  9. Hoje em dia está complicado falar sobre este assunto,so Deus conhece o nosso coração.O Dízimo polêmico...Deus abençoe a todos..O Jesus tenha misericórdia de nós e nos ensina Espírito Santo a verdade.

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde, Shalom a todos, fico muito feliz em ter na web pessoas com sede de conhecer e fazer o retorno não importando as dores que isso causará nos meios em que vivem, estou nessa jornada, ex pastor, ex ministro de louvor, ex vice-presidente de "Igreja", enfim, louvo ao Eterno por ter me resgatado dos cargos (CARGAS) que adquiri na minha segueira espiritual que durou 17 anos mais louvo ao Eterno por que os fraguimentos de Yeshua estava respingando em minha alma e só isso já foi o suficiente para acordar e abrir os olhos de verdade, o dízimo é mais uma forma de lucrar com a lã e a gordura das ovelhas não importando se ficarão debilitadas ou doentes, não recebia salários para fazer o que Ele colocou em meu coração mais mesmo nessa ignorância sentia que falar de algo que deveria ser prazeroso como penalidade ao povo era meio confuso pra mim, hj sei que praticar a justiça é algo que nos abençõa e reflete o Espírito do Santo em nós, vou acompanhar o blog e sei que a paciência do Eterno está sobre a casa de Israel e aqueles que realmente quiserem por que não é fácil recusar o "TEMPO DA GRAÇA" serão recebidos de braços abertos, Baruk Rashem. Abraços a todos

    ResponderExcluir
  11. Se temos que dizimar me expliquem o que está sendo falando em Aos Hebreus Cap. 7?

    ResponderExcluir
  12. Que o nosso senhor e salvador é o sacerdote eterno e único.
    "porque mudando de sacerdócio também necessariamente se faz a mudança de lei..."
    "Mas este com juramento por aquele que lhe disse: Jurou o Senhor, e não se arrependerá; Tu és sacerdote eternamente, Segundo a ordem de Melquisedeque,
    De tanto melhor aliança Jesus foi feito fiador.
    E, na verdade, aqueles foram feitos sacerdotes em grande número, porque pela morte foram impedidos de permanecer,
    Mas este, porque permanece eternamente, tem um sacerdócio perpétuo."
    Hebreus 7:21-24

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de receber postagens
    meu e mail é : Alexandro.pimentel17@gmail.com

    ResponderExcluir