quinta-feira, 20 de maio de 2010

O Nome Divino no Judaísmo

Chalom!

A partir surgimento das Testemunhas de Jeová, que por sua vez surgiram da "Igreja Adventista do Sétimo Dia", surgiram vários segmentos cristãos preocupados com o nome de Deus, que fora 'escondido' pelos judeus. Jeová, Javé, e mais recentemente Yaohu: todos são nomes 'trazidos à tona' por esses grupos que, sendo cristãos, esquecem que no livro intitulado "o Novo Testamento", parte da Bíblia cristã, em citações do "Antigo Testamento", o nome divino fora substituído aqui por kyrios, o termo grego para "senhor", eufemismo mais usado no judaísmo (Ado-nai = Senhor) para substituir o tetragrama I-H-V-H, além de conter outros eufemismos como "os céus", "a majestade", etc.


O Nome


O tetragrama hebraico IH-VH é considerado santo demais para ser usado pelos judeus, e já dizia a torá "Não tomarás (TEB: pronunciarás) o nome do Eterno (IH-VH) em vão..." (Shemot [êxodo] 20, 7).

Em outro texto do humach (assim se referem os judeus ao "pentateuco"), consta que alguém fora apedrejado [tradução errônea... a pena de seqilá não era aplicada jogando-se pedras em alguém, e sim atirando-se o condenado sobre uma rocha, e, caso ele sobrevivesse, aí completavam a pena apedrejando-o, como consta no talmud [babilônico, tratado Sanedrin, 43b] por blasfemar "o nome" [hb.: hachem] - Vaiiqrá [levítico] 24, 11. Era esse o tetragrama IH-VH.

Casos como esses levaram os hebreus a criar um grande zelo pelo nome de Deus.


Ketiv e Qerê

Como já vimos, historicamente o povo judeu conservou ao máximo possível o texto hebreu, mesmo quando há erros gritantes no conteúdo em hebraico.

Por exemplo, às vezes a escritura traz o pronome pessoal "Ele" (em hebraico- hu - הוּא ), onde o contexto fala de uma mulher (logo, seria hi - הִיא - Ela). Nesses casos, o texto é deixado como está, porém tradicionalmente com as vogais da palavra a ser lida, e com um asterisco ou um círculo suspenso (°) apontando para uma nota marginal onde estão as consoantes certas seguidas pela palavra קרי (Qerê ou Qeri, significando "leia").

No caso citado, no texto estaria הִוא° apontando para a margem onde consta היא קרי .
O desconhecimento dessas regras fez com que se chegasse ao nome divino na idade média como "Jeová", pois sob as quatro letras sagradas se colocam as vogais de "Ado-nai*" - O Senhor, que é como se costuma ler o tetragrama IHVH.

Porque não "Yaohu"

Ultimamente tem crescido cada vez mais um ensinamento que diz ser o nome de Deus Yaohu, e o nome "de seu filho", Yaohúshua. Infelizmente, pessoas desconhecedoras do idioma hebraico caem nesses equívocos através dos "argumentos" citados. Seria esse mesmo o nome sagrado, "escondido" há séculos pelo judaísmo?

Para quem entende de hebraico o mínimo, não! Pelos seguintes motivos:

1- A vogal hebraica "qamas" (ָ), entendida como "ao" pelos seguidores de "Yaohúshua" não tem essa leitura em nenhum dos círculos étnicos judaicos. Quando não e lê "a", lê-se um "o" aberto, sendo essa a pronúncia provavelmente mais antiga.

2- A letra hê (h), no final de palavras não forma nunca uma vogal com o "u", senão "a", "e" e "o" somente. Consulte uma gramática hebraica qualquer, e isso é facilmente verificado.

3- O nome de "Jesus" não contém o nome divino, como eles querem fazer passar, embora esse assunto nada tenha a ver com nossa crença.

Apelamos que pessoas sinceras não se deixem levar por esse tipo de ensinamento. Argumentos têm todos os que querem se mostrar confiáveis...

3 comentários:

  1. Muito bom seu 'blog'.Recentemente foi achado um texto que continha junto com o Tetragrama, a tradução em Grego (escrita translinear) identificando as vogais claramente: I, A U, que trazidas para o hebraico correspondem às vogais que estavam no Tetragrama. Foi desta forma que se chegou a pronúncia YÁHUH, יהוה, pois seus fundamentos nas Escrituras foram confirmados por achados arqueológicos. Com estes, se soube com certeza que no Tetragrama o ‘vav’ tem som de U, o que está de acordo com o uso corrente da gramática hebraica. É deste modo que os Caraítas entendem ser a pronuncia correta.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom seu 'blog'.Recentemente foi achado um texto que continha junto com o Tetragrama, a tradução em Grego (escrita translinear) identificando as vogais claramente: I, A U, que trazidas para o hebraico correspondem às vogais que estavam no Tetragrama. Foi desta forma que se chegou a pronúncia YÁHUH, יהוה, pois seus fundamentos nas Escrituras foram confirmados por achados arqueológicos. Com estes, se soube com certeza que no Tetragrama o ‘vav’ tem som de U, o que está de acordo com o uso corrente da gramática hebraica. É deste modo que os Caraítas entendem ser a pronuncia correta.

    ResponderExcluir
  3. Olá. Gostei muito do que li.
    Percebo o alto nível de conhecimento do autor. Gostaria de permissão para expor o conteúdo deste breve estudo no meu blog: 'Judaísmo bíblico fundamentado'. Unir forças com outras correntes de pensamento num objetivo comum reforça a tese que o Nome do Eterno é Yahuh, e alegra os corações dos buscadores da verdade. Toda rabá (Muito Obrigado). Benyamin ben Avraham.

    ResponderExcluir